Menu fechado

Tire suas dúvidas sobre cursos sequenciais

O QUE SÃO OS CURSOS SEQÜENCIAIS ?
Os cursos seqüenciais são uma nova modalidade de cursos de nível superior de curta duração. Entretanto não se constituem em uma graduação. Destinam-se a todos aqueles que possuem certificado de conclusão de ensino médio e que desejam ampliar ou atualizar os seus horizontes intelectuais.

Em vários países do mundo, os cursos seqüenciais são a mais recente modalidade de ensino superior no Brasil. Eles oferecem, de forma rápida, formação técnica em diferentes áreas, sempre buscando atender às novas demandas do mercado.
Assim você não precisa fazer um curso de Bacharelado ou Licenciatura para ter o 3º Grau. Para se formar nesse nível, o aluno tem como opções formar-se bacharel, tecnólogo ou licenciado, graus obtidos em cursos tradicionais de graduação. Os Cursos Seqüenciais também podem conferir um diploma superior, mas não são considerados de graduação. Como não necessita de autorização prévia do MEC para funcionar, o curso de complementação de estudos dá direito apenas a um certificado de conclusão. Isso porque são definidos por “campo do saber”; os outros cursos, por área do conhecimento e suas habilitações. Por exemplo: um curso seqüencial poderia ser denominado “curso seqüencial de administração de RH para pequenas empresas”, e não “curso seqüencial de administração”.

São cursos, em tese, de menor duração, com um viés profissionalizante, alternativa para a formação superior e o rápido ingresso no mercado de trabalho. Não é permitido, entretanto, que o aluno diplomado apenas em curso seqüencial faça cursos de pós-graduação strictu sensu (mestrado e doutorado), pois estes exigem um diploma de graduação. Mas ele pode fazer um curso de pós latu sensu (cursos presenciais de especialização). Estima-se que já existam cerca de mil seqüenciais em implantação em todo o país, a grande maioria em instituições particulares. A expectativa é que esse número dobre, com a criação também pelas universidades públicas.

Formas de ingresso:

Cada escola adota o tipo de processo seletivo que quiser. Algumas submetem os candidatos a testes no momento da inscrição, outras recorrem ao vestibular tradicional, principalmente no caso dos cursos de formação específica. Há aquelas ainda que analisam os currículos dos interessados e depois os submetem a entrevistas. Dependendo do curso, exige-se como pré-requisito formação específica anterior.

Existem duas modalidades de seqüenciais:

Cursos Seqüenciais de Complementação de Estudos

Esta modalidade é destinada a quem já tem diploma de graduação, mas quer melhorar os conhecimentos técnicos e práticos, com destinação individual ou coletiva. Um jornalista, por exemplo, pode fazer um seqüencial na área de economia para trabalhar em uma revista especializada no assunto. Não conferem diploma, e sim certificado da instituição de ensino. Os candidatos devem ter diploma de graduação ou estar cursando graduação. Esses cursos também não necessitam de autorização e nem de reconhecimento pelo MEC, devendo estar vinculados a um ou mais cursos de graduação que sejam ministrados pela instituição de ensino, e que incluam disciplinas afins àquelas que comporão o curso. Também estão dispensados de obedecer ao ano letivo regular, mas devem ter verificação de freqüência e aproveitamento.

Formas: a) Destinação individual – dependem da existência de vagas em disciplinas já oferecidas em cursos de graduação já reconhecidos pelo MEC. O candidato que deverá apresentar uma proposta de matérias para integrar o seu currículo. Ela será ou não aprovada pela instituição, que também define o processo de admissão do candidato.

b) Destinação coletiva – não precisam de autorização prévia para serem criados, e nem se sujeitam a reconhecimento. Também devem estar vinculados a um ou mais cursos de graduação reconhecidos e que incluam disciplinas afins àquelas que comporão o seqüencial.

AMPARO LEGAL
Os cursos seqüenciais estão previstos no artigo 44 da lei n° 9394/96 (LDB), regulamentados pela resolução da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação n° 01/99.

AS MAIORES DÚVIDAS

Os Cursos Seqüenciais em relação aos Cursos Graduação
Os estudos neles realizados podem, a critério da instituição, futuramente ser aproveitados pelo aluno que vier a ingressar em curso de graduação, sendo porém necessário que o aluno tenha passado por processo seletivo.

Os Cursos seqüenciais em relação aos Cursos Pós-Graduação
Os diplomados em cursos seqüenciais terão acesso aos programas de pós-graduação a nível de especialização (lato sensu).

Os Cursos seqüenciais em relação a Concursos Públicos
O acesso a concursos públicos para diplomados em cursos seqüenciais independe de regulamentação do MEC e está vinculado aos requisitos estabelecidos no edital de cada concurso. Sendo o curso seqüencial um curso de nível superior, o edital de cada concurso deve deixar claro qual a diplomação exigida : se de nível superior (onde seria aceito o diploma de curso seqüencial) ou se de graduação (situação que excluí os cursos seqüenciais).

Atuação Profissional
De acordo com a legislação em vigor, cabe aos órgãos de classe e conselhos profissionais, a regulamentação das profissões e a habilitação para o exercício profissional. No caso específico dos Cursos de Gestão (na área de administração) o CFA (Conselho Federal de Administração), através da resolução normativa de n° 226 de 13 de agosto, determina que os CRA’s efetuarem registro, em área específica, para alunos de cursos seqüenciais com diploma de formação específica. (Fonte: CFA – Conselho Federal de Administração).Cursos Seqüenciais de Formação Específica

A outra modalidade de estudos é o curso superior de formação específica, voltado principalmente para quem terminou o ensino médio ou precisa de curso superior para manter o emprego ou conseguir uma promoção. Sempre de destinação coletiva, conferem diploma. Passam pelo processo de autorização e reconhecimento, e a instituição que deseja oferecê-los deve ter um curso de graduação reconhecido pelo MEC, na área de conhecimento a que se vincula o curso seqüencial. A carga horária não pode ser inferior a 1600h, em prazo maior ou igual a 400 dias letivos, não existindo a necessidade de se seguir o ano letivo regular. Mas é exigida a verificação de freqüência e aproveitamento.

Mais informações : Mec

Veja também: