Menu fechado

A Circulação do Sangue

A CIRCULAÇÃO

Vamos começar com uma comparação.

A água movimentada pôr uma bomba chega a diversos pontos da casa – cozinha, banheiro, tanque etc. – através de uma rede de canos.

Nas folhas de uma planta a seiva bruta ( água e sais minerais retirados do solo pelas raízes) circula pôr todos os seus órgãos, ela é transformada em seiva elaborada, graças a fotossíntese, passando a conter todas as substancias que vão nutrir o vegetal. A seiva elaborada também circula pôr todos os órgãos da planta, indo nutrir suas células. Tanto a circulação da seiva bruta como da seiva elaborada são feitos através de “canos”, os vasos lenhosos e cravados.

Na verdade, o coração funciona como duas bombas: a metade esquerda recebe o sangue dos pulmões e o envia a todo o organismo; a metade direita recebe o sangue que percorreu todo o organismo e o envia aos pulmões.

Essa comparação entre a circulação da água numa residência, a circulação da seiva nos vegetais e a circulação do sangue em nosso organismo nos leva a uma conclusão: o transporte da água, da seiva e do sangue é feito através de um sistema de vasos fechados. Na residência são os canos; nos vegetais, os vasos lenhosos e crivados; no homem, os vasos sangüíneos. Esse sistema de vasos deve estar ininterruptamente cheio de liquido e sem ar. Caso contrário a circulação cessa. No caso do homem, ocorrerá rapidamente a morte.

O QUE É O SANGUE?

O sangue é o veículo que transporta as substâncias de que o nosso organismo necessita.

Nos pulmões, ele recebe oxigênio, conduzindo-o a diferentes partes do organismo. Aí recolhe gás carbônico e o leva até os pulmões. Isso é feito pelas células do sangue.

Ao passar pelo intestino, recebe os alimentos (já assimilados) e os transporta a todas as células. Recolhe ainda todos os resíduos que se formam continuamente nos diversos órgãos, e leva-os até os rins, que os eliminam através da urina.

COMPONENTES DO SANGUE

Você conhece o sangue como um liquido vermelho. A parte liquida é o plasma. Mas ele apresenta amém elementos sólidos: os glóbulos vermelhos, ou hemácias, glóbulos brancos ou leucócitos e plaquetas.

O PLASMA

É formado pôr água (90 a 92%), proteínas (albumina, fibriogênio, etc.), glicose, sais minerais( de cálcio, de sódio, de potássio) e outras substâncias.

O plasma é a substância que contém os elementos nutritivos. Além disso, nele estão dissolvidas as substâncias excretadas dos tecidos e também o produto de várias glândulas.

GLÓBULOS VERMELHOS OU HEMÁCIAS

São células sem núcleo. Têm a forma de um disco escavado no centro.

Cada milímetro cúbico de sangue contém aproximadamente 5 milhões de glóbulos vermelhos.

A cor vermelha é devida a um pigmento chamado hemoglobina.

A principal função dos glóbulos vermelhos e transportar oxigênio dos pulmões para todas as partes do corpo e trazer de volta o gás carbônico. O oxigênio e o gás carbônico se combinam com a hemoglobina, o que lhes permite serem transportados pelo sangue.

Os glóbulos vermelhos são fabricados pela medula óssea e vivem, no máximo, de 100 a 120 dias.

Os glóbulos vermelhos mortos são destruídos no baço e no fígado; aí eles dão origem a pigmentos que tornam a bile esverdeada.

A diminuição da quantidade de glóbulos vermelhos no sangue provoca uma doença chamada anemia.

OS GLÓBULOS BRANCOS OU LEUCÓCITOS

São células com núcleo. Apresentam formas e tamanhos variados.

Segundo sua forma e tamanho, distinguimos diversos tipos de glóbulos brancos.

Cada milímetro cúbico de sangue contém aproximadamente 8000 glóbulos brancos.

A principal função dos glóbulos brancos é defender o organismo contra a entrada de corpos estranhos no sangue. Geralmente, esses corpos estranhos são micróbios, muitos deles causadores de doenças.

Para que o leucócito realize esse trabalho, seu citoplasmas emite pseudópodes, que cercam e destroem os corpos estranhos. Esse processo denomina-se fagocitose. Pôr ele, os glóbulos brancos englobam os micróbios invasores do sangue.

AS PLAQUETAS

Apresentam-se como pequenos grãos, menores que os glóbulos vermelhos. Existem no sangue na proporção aproximada de300.000 pôr milímetro cúbico.

As plaquetas são pegajosas e têm tendência a fixar-se em superfícies ásperas. Pôr isso aderem às paredes de um vaso sangüíneo lesado, onde se desintegram, liberando uma enzima chamada tromboquinase, a qual inicia o fenômeno da coagulação do sangue.

Para que haja coagulação do sangue são necessárias várias substâncias. Vamos relacionar as mais importantes::

* tromboquinase, fabricada pelas plaquetas;

* protrombina, formada pelo fígado;

* cálcio, existente no sangue;

* fatores acessórios, que ainda estão sendo estudados e cujos mecanismos de ação não foram esclarecidos.

Essas substâncias reagem em conjunto até formar a trombina, que atua sobre o fibrinogênio do plasma, transformando-o em fibrina. A fibrina em forma de filamento, formará ema rede que retém as células, constituindo o coágulo.

Esquema da coagulação do sangue:

Tromboquinase + protombina + cálcio + fatores acessórios = trombina

Trombina + fibrinogênio = fibrina

Fibrina + células = coágulo.

O coágulo é uma rede de filamentos de fibrina dispostos em todas as direcões e que reúne glóbulos sangüíneos, plaquetas e plasma .

SANGUE ARTERIAL E SANGUE VENOSO

Sangue arterial é o sangue carregado de oxigênio.

Sangue venoso é o sangue carregado de gás carbônico.

Você então já deve ter percebido que o sangue arterial é aquele que passou nos pulmões, recebeu oxigênio e se dirige às células; e que o sangue venoso é o que passou pelas células, recebeu gás carbônico e volta aos pulmões.

OS TIPOS SANGÜÍNEOS

Existem várias formas de classificar o sangue. A mais utilizada é o sistema ABO. Vamos estuda-lo.

Na espécie humana, existem quatro tipos de sangue: grupo A, grupo B e grupo O.

Cada pessoa pertence a um desses grupos sangüíneos.

Na maioria dos glóbulos vermelhos existem dois tipos de proteínas: oaglutinogênio A e o aglutinogênio B. Assim, o sangue foi classificado de acordo com essas proteínas:

* grupo A: possui aglutinogênio A

* grupo B: possui aglutinogênio B

*grupo AB: possui aglutinogênio A e B

*grupo O: não possui aglutinogênio.

No plasma sangüíneo existem outras duas substâncias, chamadas aglutinias. Uma reage com aglutinogênio A, recebendo o nome de aglutinina anti-A; a outra reage com o aglutinogênio B e é chamada de aglutinina anti-B.

As aglutininas não podem ficar junto aos seus respectivos aglutinogênios, isto é, o sangue que tem aglutinogênio A não poderá conter aglutinina anti-A. O que tem aglutinogênio B não poderá conter aglutinina anti-B. Do contrário ocorrerá a aglutinação, ou seja, a união dos glóbulos vermelhos.

Essas características são muito importantes no caso de transfusão de sangue. A transfusão consiste em fazer passar o sangue de uma pessoa para outra. Geralmente é necessária quando alguém perde muito sangue num acidente, numa cirurgia ou devido a certas doenças que enfraquecem o organismo.

Antes de fazer uma transfusão é necessário conhecer o tipo de sangue do doador e do receptor, pois as transfusões só podem ser feitas com tipos de sangue que combinam. Do contrário, ocorrerá a aglutinação dos glóbulos vermelhusco receptor, que poderá causar sua morte.

O APARELHO CIRCULATÓRIO

Você sabe que osangue é um material praticamente líquido e que, pôr isso, so pode circular dentro de tubos especiais: os vasos sangüíneos. Esses vasos recebem os nomes de veias, artérias e capilares.

Para poder circular, o sangue é impulsionado pelo coração.

Os vasos sangüíneo e o coração formam o aparelho circulatório.

O CORAÇÃO

O coração apresenta quatro cavidades:

* átrio direito e átrio esquerdo, na parte superior;

* ventrículo direito e ventriculo esquerdo, na parte inferior.

Essas cavidades só se comunicam de cima para baixo, nunca lateralmente, isto é: o átrio direito comunica-se com ventriculo direito e o átrio esquerdo comunica-se com o ventrículo esquerdo. Isto ocorre porque o sangue arterial não pode misturar-se com sangue venoso. No lado esquerdo do coração passa o sangue arterial e no lado direito, o venoso.

As paredes do coração são formadas pôr três camadas:

# pericárdio, membrana que reveste externamente todo o coração;

# miocárdio, camada muscular responsável pelo movimento do coração; situa-se entre o pericárdio e o endocárdio;

# endocárdio, membrana que reveste a superfície interna das cavidades do coração.

O TRABALHO DO CORAÇÃO

Já dissemos que o coração é uma espécie de bomba. Ao trabalhar, ele se contrai e se dilata. Colocando a mão sobre seu coração você sente batidas ritmadas:. são os movimentos de contração e dilatação. Esses movimentos recebem o nome deplumarão cardíaca.

A dilatação é chamada diástole: nesse momento, o coração puxa o sangue, enchendo suas cavidades.

A contração é chamada sístole: agora o coração expulsa o sangue de suas cavidades.

Esses movimentos são sincronizados: enquanto os átrios se enchem, os ventrículos se esvaziam e vice-versa.

OS VASOS SANGÜÍNEOS

São os seguintes os vasos sangüíneos que saem do coração ou desembocam nele:

veia cava superior e veia cava inferior – São duas veias grandes e grossas que chegam ao coração pelo lado direito e desembocam no átrio direito. Elas trazem sangue venoso de todo o corpo. Saindo do coração, ramificam-se pôr todos os órgãos, recebendo nomes diferentes: veia renal (nos rins), veia hepática (no fígado) etc.

veias pulmonares – São quatro veias de calibre médio. Chegam ao coração pelo lado esquerdo, trazendo sangue arterial dos pulmões, desembocam no átrio esquerdo.

artéria pulmonar – É um vaso grosso que sai do ventrículo direito se ramifica em dois. Transporta sangue venoso do coracão para os pulmões.

artéria aorta – É um vaso grande e grosso. Sai do ventrículo esquerdo e leva sangue arterial a todo o corpo. A partir do coração, se ramifica e se espalha pôr todos os órgãos do corpo, recebendo nomes diferentes: artéria renal (nos rins), artéria hepática ( no fígado) etc.

AS ARTÉRIAS – os vasos sangüíneos mais grossos do nosso organismo – originam-se no coração. A aorta e a artéria pulmonar ramificam-se, até originar vasos muito finos chamados arteríolas. Estas continuam se ramificando, até atingirem o calibre de um fio de cabelo, formando então os capilares arteriais, que se distribuem em redes, constituindo a rede capilar.

Todas as nossas células estão ligadas a essa rede. É pôr isso que, quando nos cortamos, em qualquer parte do corpo e pôr menor que seja o ferimento sempre sai sangue.

Os inúmeros capilares venosos espalhados pelo nosso corpo, depois de passarem pelos diversos órgãos, juntam-se novamente, formando uma vênula. As vênulas vão se unificando até formarem veias.

Você pode perceber então que as veias originam-se nos órgãos e vão até o coração, enquanto as artérias originam-se no coração e vão até os órgãos.

COMO O SANGUE CIRCULA EM NOSSO CORPO?

O caminho que o sangue faz em nosso organismo se assemelha a um “circuito fechado”. O sangue venoso entra no coração pelo átrio direito. Daí ele passa para o ventrículo direito. Em seguida, através da artéria pulmonar, vai para os pulmões. Ali, o sangue libera o gás carbônico trazido dos órgãos do corpo e absorve o oxigênio, tornando-se sangue arterial. Esse fenômeno é chamado hematose.

Dos pulmões, o sangue vai, através das veias pulmonares, para o átrio esquerdo. Depois, através da artéria da artéria aorta, encaminha-se para todo o corpo. Nas células o oxigênio é liberado e o sangue torna a absolver o gás carbônico, tornando-se novamente venoso. E através das duas veias cavas, vai novamente para o átrio direito. A partir desse ponto, e a viagem recomeça.

O movimento do sangue pôr todo o corpo chama-se circulação. O trajeto do ventrículo direito até o átrio esquerdo é chamado pequena circulação, o percurso do ventrículo esquerdo até o átrio direito é chamado grande circulação.

A PRESSÃO ARTERIAL

Você já sabe que o coração se contrai e se distende ritmicamente, nos movimentos de sístole e diástole. Alternando-se ordenadamente, a sístole e a diástole são responsáveis pelo fluxo do sangue dentro dos vasos sangüíneos. O fluxo nas artérias é feito com pulsações intermitentes, enquanto nas veias é uniforme.

A pressão arterial é a pressão exercida pelo sangue sobre as paredes das artérias. Ela é diferente na sístole e na diástole.

A pressão arterial máxima corresponde ao em que o coração bombeia sangue com toda a forca para dentro das artérias e estas se distendem. É a pressão sistólica.

Pressão arterial mínima é a que se verifica no final da diástole, quando as paredes das artérias voltam à posição inicial. É a pressão diastólica.

Você já deve ter tido a oportunidade de ver um aparelho para medir a pressão. Ele se chama tensiômetro serve para medir tanto a pressão máxima como a mínima.

Numa pessoa adulta e jovem, a pressão arterial máxima é em geral, igual a 120 milímetros cúbicos da coluna de mercúrio de um tensiômetro. A mínima é igual a 80 milímetros cúbicos.

Na prática, dizemos que a pressão arterial é igual a 120 X 80 mm Hg. (Hg é o símbolo químico do mercúrio.).

A medida da pressão arterial de uma pessoa é muito importante, pois ela permite que o médico avalie as condições de saúde do aparelho circulatório.

A LINFA

Observando o aparelho circulatório, conclui-se que o sangue não sai de dentro dos vasos sangüíneos para entrar em contato direto com as células. Assim sendo, de que modo as células recebem a s substâncias nutritivas presentes no sangue?

Para compreender isso, acompanhe as explicações que seguem:

No plasma existem substâncias nutritivas dissolvidas, com você já sabe.

O plasma pode sair dos capilares, indo ocupar os espaços existentes entre a células. Assim, quando o plasma banha as células, estas retiram dele as substâncias nutritivas de necessitam. Os leucócitos também podem sair dos capilares sangüíneos, acompanhando o plasma. Para isso, eles modificam sua forma e atravessam as paredes dos capilares. A esta propriedade dos leucócitos dá-se o nome de diapedese.

Fora dos capilares sangüíneos, o plasma e os leucócitos formam um líquido esbranquiçado chamado linfa. É através da linfa que:

# as substâncias nutritivas e o oxigênio chegam até as células de todo organismo;

# o gás carbônico passa das células para o sangue a fim de ser eliminado para o meio ambiente, através dos pulmões.

O excesso de linfa nos espaços intercelulares é absorvido pôr vasos especiais chamados vasos linfáticos, nos quais são também formados novos leucócitos que enriquecem a linfa.

Os vasos linfáticos são muitos finos, semelhantes aos capilares sangüíneos. Mas eles se reúnem em vasos de calibre maior, até encontrarem-se com as grandes veias da circulação sangüínea. Pôr estas veias, a linfa retorna ao sangue.

O SISTEMA IMUNOLÓGICO

O corpo humano está constantemente exposto a bactérias, vírus e outros agentes estranhos. Muitos deles causam doenças. Dá-se o nome de antígeno a qualquer agente estranho ao organismo.

Nosso corpo possui mecanismos de defesa contra esses agentes estranhos. Em conjunto, esses mecanismos formam o sistema imunológico. Ele cria resistência, sem a qual ficaríamos constantemente doentes.

Os glóbulos brancos são unidades móveis do sistema imunológico. Eles são transportados pelo sangue para as diferentes partes do corpo, onde são utilizados no combate a um antígeno. Através da fagocitose, determinados glóbulos brancos aprisionam o antígeno e digerem-no, com auxilio de enzimas próprias.

Além desse mecanismo, o sistema imunológico é capaz de produzir anticorpos, que são substâncias que atacam os antígenos. Para cada antígeno, o organismo fabrica um ou mais anticorpos específicos. Os anticorpos são transportados pelo sangue até os antígenos.

Quando uma pessoa é infectada pelo vírus da catapora, pôr exemplo, sue sistema imunológico entra em ação e produz anticorpos contra o vírus. A partir de então, a pessoa fica imune à catapora. Ou seja, cada vez que ela entra em contato com esse vírus (antígenos), os anticorpos os destruição, impedindo que provoquem a doença.

Várias outras doenças produzem imunidade definitiva (sarampo, rubéola, poliomelite etc). Em outras, a imunidade é apenas temporária.

AS VACINAS

As vacinas agem de acordo com o principio da reação antígeno-anticorpo. Vejamos como isso acontece:

A vacina é um antígeno que embora não cause a doença, provoca a produção de anticorpos, como se fosse o próprio micróbio causador da doença. Dessa forma, quando o indivíduo entrar em contato com esse micróbio, seu organismo já terá anticorpos para defende-lo.

Algumas vacinas são produzidas com bactérias inativadas ou vírus atenuados, ou seja, micróbios que não são capazes de produzir a doença. É o caso das vacinas contra a coqueluche e contra o sarampo. Outras são feitas a partir de produtos químicos extraídos do agente causador ou de substâncias produzidas pôr ele. A vacina contra o tétano, pôr exemplo, é feita com o toxóide tetânico, uma substância produzida pelo bacilo do tétano.

É importante que todas as crianças sejam vacinadas. Nos postos de saúde são aplicadas vacinas contra muitas doenças (tuberculose, tétano, difteria, coqueluche, sarampo, paralisia infantil). É necessário que os pais levem seus filhos para tomarem as vacinas na época adequada.

Veja também: