Menu fechado

Classificação das Plantas

CLASSIFICAÇÃO DAS PLANTAS

Passeando em uma floresta ou visitando um Jardim Botânico, o que você mais observa são exemplares que pertencem a dois grandes grupos de plantas chamadas de Fanerógamos ou Espermáfitos e Criptógamos.

Os Fanerógamos são plantas que produzem flores e têm o embrião nas sementes. São também conhecidos como vegetais superiores. Como exemplos temos: mangueiras, roseiras, alface, agrião, mandioca, etc.

O grande grupo dos Fanerógamos é considerado o mais evoluído dentro do Reino dos Vegetais porque todos os seus representantes possuem: raiz, folhas e sementes.

Os Fanerógamos estão divididos em dois grupos que são:

Angiospermas – vegetais que possuem as sementes protegidas por frutos. Ex.: limoeiro, tomateiro, pessegueiro, etc.

Gimnospermas – vegetais que apresentam suas sementes expostas, isto é, que não se formam dentro de frutos. Ex.: pinheiros, ciprestes, sequóias, etc.

ANGIOSPERMAS

Já que são plantas mais numerosas e as que apresentam maior variedade na superfície da Terra, estão divididas em dois grupos:

A – Monocotiledôneas – são aquelas que representam apenas um cotilédone (folhas modificadas que absorvem o material nutritivo do albúmem para alimentar a planta durante a germinação). As monocotiledôneas estão divididas em gramíneas (milho, grama, açúcar, bambu); bromeliáceas (abacaxi, bromélia); liliáceas (lírio, alho, cebola) musáceas (bananas).

B – Dicotiledôneas – suas sementes apresentam dois cotilédones. Estão divididas em : leguminosas (ervilha, soja, feijão); rosáceas (morango, pêra, maça); rubiáceas (café, jenipapo); compostas (margarida, girassol).

GIMNOSPERMAS

São plantas sem frutos, mas apresentam: raiz, caule, folhas, flores, sementes, vasos lenhosos e vasos liberianos.

Seu caule é muito desenvolvido como o das sequóias da Califórnia que chegam a medir 100 metros de altura e diâmetro de 10 a 12 m.

Suas folhas são pequenas, rígidas e pontiagudas, situam-se em ramos curtos que, por sua vez, saem de ramos mais longos.

As flores não são muito vistosas, pois não possuem corola, mas estão reunidas em inflorescências, podendo essas inflorescências masculinas e femininas estar juntas ou separadas.

As inflorescências masculinas são chamadas de estróbilo masculino e no seu interior estão armazenados milhões de grãos de pólen.

Já as inflorescências femininas, chamadas de estróbilo feminino, apresentam carpelo sem ovário, não apresentam estilete e nem estigma, mas óvulos descobertos na face superior do carpelo. Por isso, são conhecidas por sementes nuas.

Na época da primavera, grãos de pólen são transportados pelo vento e atingem o estróbilo feminino, fecundando, assim, os óvulos descobertos.

Os óvulos fecundados desenvolvem-se originando sementes (pinhão). Essas sementes permanecem no estróbilo feminino e passam a ser chamados de pinhas. Ao amadurecer, a pinha se abre liberando as sementes que, ao caírem no solo ideal, irão dar origem a novas plantas.

As Gimnospermas formam grandes florestas em todo o mundo. São importantes comercialmente, pois fornecem madeira e materiais para a industria de papel, resinas e gomas, assim como no uso em paisagismo e no Natal.

São exemplos de Gimnospermas: sequóias, pinheiros, ciprestes e araucárias.

Veja também: