Menu fechado

Idade Moderna 1453/1789

  • Em oposição à cultura feudal, o Renascimento foi um movimento cultural que expressou a mentalidade burguesa.

  • Os seus fundamentos são: antropocentrismo, racionalismo e individualismo em oposição ao teocentrismo e às concepções da filosofia escolástica.

  • Assim, na cultura medieval, a religião era o fundamento do conhecimento; no Renascimento, a ciência ocupou o seu lugar. Esta nova concepção se expressou nas Artes Plásticas e na Literatura e fez desenvolver o estudo da Medicina, da Física, entre outras áreas.

 

A Reforma Religiosa

  • A Reforma também manifestou uma nova mentalidade associada ao declínio do feudalismo. Assim, a concepção medieval cristã, fundada na infalibilidade papal, deixou de ser aceita. No seu lugar, Lutero propôs a infalibilidade da Bíblia e a salvação pela fé.

  • Calvino identificou a fé cristã com o trabalho, justificando as práticas capitalistas.

  • A Igreja Anglicana reafirmou a autoridade da monarquia absolutista independente do poder papal.

  • As transformações da Idade Moderna também produziram algumas mudanças no catolicismo, fazendo surgir a Contra-Reforma.

 

A monarquia Absolutista (Antigo Regime)

  • Superando as concepções medievais, na Idade Moderna, a política se separou da religião. O Estado Moderno instituiu um governo monárquico com poderes ilimitados.

  • Entre os pensadores que justificaram os Estado absoluto destacaram-se:

    • Nicolau Maquiavel, autor de O Príncipe, entendia que o poder absoluto era indispensável à manutenção da ordem; para tanto, considerava que os fins justificam os meios;

    • Thomas Hobbes, autor do Leviatã, considerava que o poder é um mal necessário. Apesar de impedir a liberdade natural do homem, garante a sua existência;

    • Jacques Bossuet afirmava que o poder real fora concebido por direito divino, isto é, pelo consentimento de Deus.

  • A monarquia absolutista harmonizou-se com as principais forças políticas da sociedade. Assim, através do Mercantilismo, a monarquia aliou-se com a burguesia e ao mesmo tempo manteve-se unida com a nobreza e com o alto clero, concedendo-lhes privilégios. A essa ordem da Idade Moderna denominou-se Antigo Regime.

 

Mercantilismo

  • A política econômica mercantilista é caracterizada pelo intervencionismo monárquico.

  • Entre as suas práticas destacam-se: monopólio do comércio, balança comercial favorável, protecionismo, colonialismo e metalismo.

  • A sua principal intenção era gerar o enriquecimento da burguesia nacional, para obter recursos tributários que viessem fortalecer a monarquia absoluta.

  • Enfim, o mercantilismo conseguiu unir os interesses da burguesia com os da monarquia, constituindo-se na base financeira do governo absolutista.

 

A Revolução Comercial

  • No início da Idade Moderna, as atividades comerciais européias se expandiram em direção à África, América e Ásia.

  • Em conseqüência, intensificou-se o comércio, formaram-se grandes empresas de navegação, de colonização e de financiamentos bancários.

  • Esta grande acumulação de capital, que aumentou a produtividade na Europa e fortaleceu o Estado Absoluto, é por muitos denominada de Revolução Comercial.

 

Principais passagens da história do Absolutismo:

França – séc.XVII e XVIII

Luís XIII
– Ministro Cardeal Richelieu;
– consolidação do absolutismo;
– Guerra dos Trinta Anos (1618-1648).

Luís XIV – o Rei Sol
– ministro Colbert;
– hegemonia francesa.

Luís XV – período de decadência
– Guerra dos Sete Anos (1756-1763).

Inglaterra – séc. XVI e XVII

– reis Tudor, origem do Absolutismo;
– Henrique VIII – Igreja Anglicana;
– Elisabeth I – Revolução Comercial;
– Reis Stuarts, decadência do absolutismo;
– 1649 – Revolução Puritana;
– Oliver Cromwell – a República;
– os Atos de Navegação;
– 1688 – Revolução Gloriosa;
– 1689 – a Declaração de Direitos;
– instituição do governo parlamentarista;
– origem do liberalismo.

 

O Iluminismo

  • Movimento de idéias contrárias ao Antigo Regime.

  • Combatia o absolutismo, o mercantilismo, os privilégios feudais, etc.

  • Principais pensadores:

    • Locke, autor do Segundo Tratado do Governo Civil, defendia um governo liberal;

    • Voltaire, autor das Cartas Inglesas, foi inspirador do despotismo esclarecido;

    • Montesquieu, autor de Espírito das Leis, defendia o Estado de Direito e o princípio da tripartição dos poderes;

    • Rousseau, autor do Contrato Social, propôs um governo democrático fundado na vontade geral.

  • Fisiocratismo (Quesnay) e o Liberalismo combatiam o intervencionismo mercantilista.

  • A Enciclopédia foi um resumo panfletário do Iluminismo, organizado por Diderot e D’Alembert.

  • Iluminismo foi a ideologia que deu início a uma “era de revoluções”, destacando-se, ainda, o despotismo esclarecido em que monarcas absolutos aplicavam parte das idéias iluministas, reformando seus Estados. Também influenciou a independência dos Estados Unidos, a Revolução Francesa e os movimentos emancipadores da América Latina, entre outros.

 

A Independência dos Estados Unidos

  • A partir dos efeitos da Guerra dos 7 anos, a Inglaterra acirrou a tributação colonial, originando a “Questão dos impostos” (A Lei do Açúcar, a Lei do Selo e a Lei do Chá).

  • No Congresso de Filadélfia, T. Jefferson publicou a Declaração da Independência (4-7-1776).

  • A Independência foi reconhecida pela Inglaterra no Tratado de Versalhes (1783)

  • Em 1787 ficou pronta a Constituição que criou uma República liberal, fundindo os interesses dos republicanos e federalistas.

Veja também: