Menu fechado

Os Invertebrados

Os Invertebrados

 

Características dos filos;

  • Reprodução;
  • Respiração;
  • Exemplos;
  • Estrutura;
  • Desenho do animal correspondente;

 

Filos que serão citados:

 

  1. §                     Esponjas ou poríferos;
  2. §                     Cnidários;
  3. §                     Platelmintos;
  4. §                     Nematelmintos;
  5. §                     Moluscos;
  6. §                     Anelídeos;
  7. §                     Artrópodes;
  8. §                     Equinodermos;

 

Introdução

 

O reino Animal por ser muito extenso, é subdividido em dois grandes grupos: os Vertebrados, que possuem vértebras, e os invertebrados, que não as possuem, e são a maior parte dentro do reino dos animais. Os invertebrados simbolizam o inicio da vida animal na terra, são os seres mais simples dentro do reino estudado.

Sabemos que os animais tiveram inicio do desenvolvimento do reino protista, em torno de 700 milhões de anos atrás. Os seres mais simples, os poríferos existem até hoje, entretanto outros foram totalmente instintos da fauna como os dinossauros. Devido a intensa exploração humana muitos animais foram instintos sem piedade e os que existem atualmente vão ao mesmo caminho.

Nesse trabalho estudaremos somente a subdivisão dos invertebrados, que como já foi dito são os seres mais simples. Devido sua grande diversidade eles são subdivididos em oito filos distintos: Esponjas ou poríferos, Cnidários, Platelmintos, Nematelmintos, Moluscos, Anelídeos, Artrópodes, Equinodermos.

            Os invertebrados são extremamentes importantes para a harmonia da vida terrestre, portanto, são indispensáveis a todos os ecossistemas. Nós Estudaremos suas principais características morfológicas, fisiológicas; sua reprodução; sua respiração e, finalmente, sua estrutura. Será uma grande aventura adentro de um reino que esconde muitos mistérios e que serão descobertos a cada tópico estudado.  

 

 

1.Filo dos Poríferos

 

            Os poríferos (espongiários ou esponjas) constituem o grupo mais simples de animais. Embora multicelulares, com células relativamente especializadas, sua organização é rudimentar. A simplicidade de sua estrutura faz com que seu modo de vida seja em colônias.

            O nome porífera refere-se ao fato de os representantes deste filo apresentarem o corpo todo perfurado por poros microscópicos. Quando se trata de uma esponja simples e individual, podemos dizer que ela é um organismo que vive de forma fixa em um substrato submerso.

            A parede do corpo da esponja é composta por duas camadas celulares: a externa é constituída por células achatadas chamadas pinacócitos e a interna é formada por células flageladas, denominadas coanócitos. Cada poro é um canal microscópio que atravessa o citoplasma de uma célula especializada chamada porócito, e é através dos poros que a água, trazendo oxigênio e partículas alimentares, penetra na cavidade atrial do espongiário.

            As esponjas não têm sistemas muscular, nervoso ou sensorial; pequenas modificações na forma do corpo, entretanto, podem ser consideradas pela retração das células de revestimento e dos porócitos.

            Quanto a alimentação, as esponjas são animais filtradores, em conseqüência, a água penetra pelos poros da parede corporal. A água que entra contém os gases necessários à respiração e também partículas alimentares em suspensão. As partículas alimentares são capturadas pelos coanócitos, capazes de realizar a fagocitose, assim o alimento é digerido intracelularmente em vacúolos digestivos.

            Todos os espongiários são aquáticos, e a maioria das espécies vive no mar, algumas vivem isoladamente outras formam colônias.

            Sua coloração pode variar do laranja ao vermelho, do azul ao negro.

            Os poríferos se reproduzem tanto assexuada como sexuadamente. Varias espécies reproduzem-se por brotamento; os brotos geralmente permanecem unidos, crescem e formam uma colônia de espongiários. As esponjas também apresentam formas sexuais de reprodução. Células amebóides do corpo sofrem meiose e diferenciam-se em óvulos e espermatozóides. Os espermatozóides são liberados na água e penetram na parede do corpo das fêmeas, onde fecundam os óvulos.

 

Resumo

Diagnose de um porífero: animal filtrador, com nível simples de organização corporal, não apresenta qualquer órgão ou sistema.

Habitat: ambiente aquático, a maioria das espécies é marinha.

Exemplo: poríferos usados como esponjas de banho (gênero Spongia)

Dados da anatomia e fisiologia:

Sistema digestivo: ausente (alimento fagocitose por coanócitos)

Sistema circulatório: ausente (difusão de substancias através dos espaços entre as células).

Sistema respiratório: ausente (trocas gasosas or simples difusão)

Sistema excretor: ausente (excreções lançadas, por difusão, na água circundante).

Sistema nervoso: ausente

Reprodução: assexuada, por fragmentação e brotamento; sexuada, com desenvolvimento indireto (larva anfiblástula).

                        

 

2.Filo dos Celenterados

 

            São animais mais desenvolvidos que os poríferos, embora também sejam simples. O nome Cnidária é dado porque os animais desse filo possuem em seu corpo Cnidoblastos ou células urticantes. Os representantes desse filo são as águas-vivas e as anêmonas-do-mar.

            Os Celenterados apresentam-se em duas formas corporais básicas: Pólipo (forma polipóide) e Medusa (forma medusóide). Os pólipos são sempre fixos a um substrato, ao passo que as medusas são formas livres-natantes. Apesar de se diferirem em forma, os pólipos e as medusas têm a mesma organização estrutural: o corpo é formado por uma parede que delimita uma cavidade interna, a cavidade gastrovascular. Esta se abre para o exterior através da boca, que serve tanto para a entrada de alimentos como para a saída de resíduos da digestão e do metabolismo (Sistema digestivo incompleto). A maioria dos celenterados possui, em torno da boca, um conjunto de tentáculos, utilizados na captura de alimento e na defesa.    

            A parede corpórea é formada: externamente por uma camada epidérmica com função protetora e sensitiva; internamente por uma camada, a gastroderme, que tem função digestória e onde se situam as células que promovem a digestão intracelular, no interior de vacúolos. Entre a camada epidérmica e a gastroderme existe a mesogléia, estrutura gelatinosa que serve de apoio para o corpo. E entre a mesogléia e a epiderme existem células nervosas que, em conexão funcional com outras células, determinam o surgimento de um mecanismo sensitivo-neuromotor.

            Como já foi dito às células que caracterizam os celenterados são os cnidócitos, que promovem a defesa do animal e contribuem para a captura do alimento, através de substancias urticantes.

 

 



























Filo dos Celenterados

Classe

Características

Exemplos

Hydrozoa

Pólipos

Hydra (dulcícolas)                 Obelia (colonial)          Physalia                         Caravelas coloniais

Scyphozoa

Medusas

Aurelia                                           Tamoya

Anthozoa

Polipóides

Actínia                                           Corais

O Quadro Acima nos mostra os subfilos existentes dentro do filo dos celenterados

 

                 A reprodução dos celenterados pode ser: assexuada (brotamento) ou sexuada. É comum a ocorrência de metagênese ou alternância de gerações. No caso da alternância de gerações: a fase sexuada é representada pela forma medusóide;a fase assexuada, pela polipóide.

 

 

 

 

 

Resumo

Diagnose de um celenterado: animal com forma de pólipo ou medusa; formado por duas camadas celulares; sistema digestivo incompleto apresenta células urticantes, os cnidoblastos; existem espécies que há alternância de gerações de pólipos ou de medusas.

Habitat: Ambientes aquáticos, a maioria marinha.

Exemplos: Caravela, Medusa marinha, hydra.

Sistema digestivo: presente, incompleto (digestão extra ou intracelular).

Sistema circulatório: ausente (o alimento é distribuído diretamente na cavidade gastrovascular)

Sistema Respiratório: ausente (trocas gasosas por simples difusão)

Sistema excretor: ausente (excreções lançadas, por simples difusão).

Sistema nervoso: presente (formado por uma rede difusa no corpo)

Reprodução: alguns pólipos têm reprodução assexuada por brotamento; algumas espécies têm ciclos de vida com alternância de gerações sexuadas e assexuadas. 

 

 

3. Filo dos Platelmintes

 

São vermes de corpo achatado. Desprovidos de patas e corpo alongado. Existem platelmintos de vida livre e também parasita.  Os de vida livre não vivem à custa de outros seres vivos como os parasitas, que se alojam em hospedeiros para cumprir seus ciclos de vida. As planárias vivem na água doce, no fundo de lagos, sob pedras ou da folhagem. Sua boca fica na região ventral e ela parece vesga. Ela é muito utilizada em experimentos. Já os parasitas podem causar doenças comuns como a esquistossomose e a teníase que são transmitidas respectivamente através do contato direto da larva com a pele ou pela ingestão de carne crua contaminada. São também conhecidos como vermes. Ex: Planária, Esquistossomo e Solitária.

Os vermes mais inferiores são os platelmintos, os quais têm o corpo mole e fino. O filo inclui três classes: os Turbelários ou platelmintos de vida livre, a amioria dos quais habita a água doce ou salgada ou mesmo lugares úmidos na terra; os Trematodos, parasitas externos ou internos; e os Cestoda ou tênias, cujos vermes adultos são parasitas intestinais de vertebrados. Trematodos e tênias são parasitas importantes para o homem, rebanhos e animais silvestres, alguns causando moléstias sérias ou mesmo a morte destes hospedeiros. Os únicos platelmintos de vida livre são encontrados entre os turbelários, que apresentam a epiderme ciliada delicada enquanto os trematodos e as tênias são revestidos com uma cutícula resistente à digestão e têm ventosas e ganchos para a fixação nos seus hospedeiros. Aqueles que vivem internamente não apresentam órgãos sensoriais.

 

 

 

Resumo

Diagnose de um platelminte: animal de corpo achatado, formado por três tecidos embrionários, corpo sem cavidade (acelomado) preenchido por mesênquima; sistema digestivo incompleto, simetria bilateral.

Habitat: terrestres e aquáticos, de água doce ou salgada, formas parasitas vivem no interior de diversos tipos de hospedeiros.

Exemplos: Planaria de água doce, a tênia.

Sistema digestivo: Presente, incompleto (intestino muito ramificado, com digestão intra e extracelularmente).

Sistema circulatório: ausente (alimento distribuído pelo intestino muito ramificado)

Sistema respiratório: ausente (trocas gasosas por simples difusão)

Sistema excretor: presente (poros excretores na superfície dorsal do corpo)

Sistema nervoso: presente (um par de gânglios cerebrais, ligados a dois cordões nervosos longitudinais).

Reprodução: em algumas planarias pode haver reprodução assexuada por fragmentação; as planarias são monóicas com o desenvolvimento direto, sem estagio larval; outras espécies são dióicas; muitos representantes desse filo são parasitas, alguns com diversos estágios intermediários. 

 

 

4. Filo dos Nematelmintos

 

            Os nematelmintos reúnem vermes de corpo cilíndrico, não dividido em anéis. Podem ter vida livre, isto é séssil, ou ser parasitas. Possuem tamanho que varia de milímetros até mais de oito metros, como é o caso do parasita de placenta de baleia. Dentre os parasitas podem ser citados a lombriga, o ancislóstomo, o oxiúro, o bicho geográfico e a filária. Para estes vermes existem alguns cuidados profiláticos, tais como, não ingerir alimentos crus, não andar descalço e lavar sempre as mãos ao tocar em terra ou areia que possa estar contaminada.

 

Resumo

Diagnose de um nematelminte: animais de corpo fino e tubular; triblásticos; cavidade corporal denominada pseudoceloma; sistema digestivo completo, simetria bilateral.

Habitat: formas de vida livre terrestre e de água doce ou salgada; formas parasitas vivem em diversos tipos de hospedeiros.

Exemplos: lombriga.

Sistema digestivo: presente, completo (intestino sem ramificações; digestão extra e intracelularmente).

Sistema circulatório: ausente (alimento distribuído pelo fluido da cavidade pseudocelômica)

Sistema respiratório: ausente (trocas gasosas por simples difusão)

Sistema excretor: presente (um par de canais excretores, próximos a boca).

Sistema nervoso: presente (um anel nervoso em torno da faringe)

Reprodução: sexuada; em lombriga os vermes têm sexos separados, o ciclo parasita é bem complexo com diversos estágios intermediários.

 

5. Filo dos anelídeos



Como o próprio nome já sugere, são animais com o corpo todos segmentados, isto é, dividido em anéis. Na maioria dos anelídeos, observamos grossos fios de quitina que são chamados de cerdas. Estas se apresentam em feixes ou isoladas e são usadas para auxiliar na locomoção. São animais que vivem em ambientes úmidos ou aquáticos, pois precisam manter a pele sempre umedecida. Apresentam respiração cutânea, isto é, pela pele. As principais classes de anelídeos são:

 

Oligoquetos: animais detritívoros que compõe o húmus. Escavam galerias e canais buscando alimento (restos vegetais) e abrigo. Têm a pele revestida de muco, são viscosas, pois fazem respiração cutânea, este auxilia o seu deslocamento e as protege de doenças. Sua reprodução se dá por fecundação cruzada e são hermafroditas. Ex: minhoca.

Poliquetos: marinhos, ficam flutuando ou ainda no interior de tubos fabricados por eles mesmos, à base de calcário de restos de conchas e da areia. Apresentam muitas cerdas e a sua respiração é branquial. Ex: tubícola.

Hirudíneos: alimentam-se de sangue de vertebrados. Vivem em regiões de pântanos ou charcos, isto é, em ambientes úmidos. Apresentam uma ventosa na região da boca além de uma mandíbula serrilhada. Não apresentam cerdas pelo corpo. Ex: sanguessuga.

 

Resumo

Diagnose de um anelídeo: Animal de corpo metamerizado; triblásticos; celomado; sistema digestivo completo; simetria bilateral.

Habitat: animais de vida livre, terrestres e de água doce ou salgada.

Exemplos: Um oligoqueto terrestre bem conhecido é a minhoca-louca e a sanguessuga.

Sistema digestivo: presente, completo (intestino com regiões diferenciadas – faringe, papo, moela e etc.) digestão extracelular.

Sistema circulatório: presente, do tipo fechado (presença de vasos pulsáteis).

Sistema respiratório: ausente (trocas gasosas ocorrem pela superfície corporal, bem irrigada de sangue).

Sistema excretor: presente (excreção por meio de nefrídios).

Sistema nervoso: presente (composto por uma nervosa ventral, com um par de gânglios por segmento).

Reprodução: sexuada; existindo espécies monóicas e dióicas; em alguns casos o desenvolvimento é direto, e em outros existem estágios larvais.

 

6. Filo dos Moluscos 

Os moluscos são animais de corpo mole, A maioria apresenta uma concha de calcário, com variedade de cores, formas e tamanhos e que normalmente são externas e algumas vezes podem ser internas. Os moluscos são também adaptados a todos os tipos de ambientes: terrestre e aquático. Seu corpo apresenta três partes: cabeça, pé e massa visceral, na cabeça ficam a boca e os olhos, o pé é uma forte massa usada para locomoção e fixação. As classes de moluscos são:

Gastrópodes: apresentam uma única concha e seu corpo é mole, mas apresenta uma forte musculatura que o ajuda a se locomover. Seu sistema digestivo é bem desenvolvido e apresentam um par de tentáculos na cabeça com olhos nas pontas. A boca apresenta uma mandíbula e a rádula usada para ralar o alimento, seu pulmão é em forma de câmara. São exemplos de gastrópodes a lesmas, o caracol e o caramujo.

Bivalves: Apresentam duas valvas interligadas por fortes músculos formando a sua concha, seu corpo mole fica protegido no interior destas valvas. Não apresentam cabeça e seu pé se expande para fora ou se recolhe completamente quando ele se fecha. São chamados de animais filtradores, já que retiram da água as partículas de alimento e o oxigênio que circula entre as suas brânquias. São exemplos mariscos, lepas e ostras.

Cefalópodes: O aspecto de seu corpo justifica seu nome, os pés na cabeça. Apresenta uma concha interna no interior do corpo. A massa visceral é na realidade a cabeça e os pés são modificados em tentáculos. Estes animais se locomovem auxiliados pelo movimento da água que passa por um tubo ou sifão que fica junto à cabeça. São carnívoros e a sua respiração é branquial. Apresentam ventosas para fixação nos tentáculos. São exemplos o polvo, a lula, o Nautilus e o Argonauta.

 

 

  Resumo

Diagnose de um molusco: animais de mole, com ou sem concha; triblástico; cavidade corporal denominada celoma; sistema digestivo completo, com glândula digestiva anexa e simetria bilateral.

Habitat: animais vida livre, terrestres de água doce ou salgada; raras formas parasitas têm larvas que vivem em guelras de peixes.

Exemplos: mexilhão, lula, polvo e o caracol de jardim.

Sistema digestivo: presente, completo (intestino com regiões diferenciadas com digestão extracelular e intracelular).

Sistema circulatório: presente, do tipo aberto (com coração e vasos sanguíneos nos quais circulam o sangue)

Sistema respiratório: presente (trocas gasosas ocorrem em órgãos especializados como as brânquias e os pulmões; sistema acoplado ao circulatório).

Sistema excretor: presente (excreção por meio de nefrídios, estrutura especializada na remoção de resíduos).

Sistema nervoso: presente (composto por três ou quatro pares de gânglios nervosos, ligados a nervos que afligem o corpo).

Reprodução: sexuada; existindo espécies monóicas e dióicas em alguns casos o desenvolvimento é direto em outros existem estágios larvais.

 

 

7. Filo dos Artrópodes

 

 

Contém a maioria dos animais conhecidos, aproximadamente 1.000.000 de espécies, sendo muitas delas extremamente abundantes em número de indivíduos. O filo é um dos mais importante ecologicamente, pois domina os ecossistemas terrestres e aquáticos em número de espécies ou indivíduos ou em ambos. O corpo é segmentado externamente em graus diversos e as extremidades pares são articuladas, sendo diferentes em forma e função. São revestidos por um exoesqueleto de quitina. Seu sistema nervoso, olhos e outros órgãos sensitivos são proporcionalmente grandes e bem desenvolvidos. Este é o único grande filo de invertebrados com membros adaptados à vida terrestre, independente de ambientes úmidos, além de que os insetos são os únicos invertebrados capazes de voar. As diversas espécies são adaptadas a vida no ar, na terra, no solo e em água doce, salobra e salgada. Sua simetria é bilateral, apresentam sistema circulatório lacunar, respiram por brânquias, traquéias, pulmões ou pela superfície do corpo.

Têm glândulas especiais de excreção e sistema nervoso com gânglios dorsais. Os sexos são geralmente separados em macho e fêmea e a fecundação é geralmente interna, podem ser ovíparos e ovovivíparos, geralmente apresentam estágio de larva e sofrem metamorfose. A maioria dos zoólogos acredita que os artrópodos provavelmente surgiram de algum grupo primitivo de poliquetos. Há cinco principais classes de artrópodes, que estudaremos em seguida.

Insetos: Maior classe dos artrópodes com mais de 700 mil espécies. Apresentam um esqueleto externo (exoesqueleto) de quitina, sofrem muda (troca de esqueleto) conforme o crescimento, tem o corpo dividido em: cabeça, tórax e abdome e ainda 6 patas. Possuem um par de antenas, há dois pares de asas, mas espécies com um par ou ainda sem asas. Sofrem metamorfose, após a cópula e a fecundação, a fêmea deposita os ovos que se transformam em larvas, depois em pupas e no final na forma adulta do inseto.  Sua respiração é traqueal, sendo esta ramificada pelo corpo. Seu aparelho circulatório é lacunoso (coração e câmaras). Seu aparelho bucal pode ser mastigador ou triturador, sugador, picador e lambedor. Eles têm grande importância ecológica e podem estar relacionados com a transmissão de doenças. Exemplos de insetos: pulga, mosca, barata, borboleta, abelha, besouro, formiga e pernilongo. 

 

Aracnídeos: São artrópodes quelicerados e com um par de palpos. Seu corpo é dividido em cefalotórax e abdome, além dos 4 pares de pernas.  Não apresentam asas e antenas. Seu desenvolvimento é direto, a maioria é peçonhenta e alguns são parasitas.  Sua respiração é filotraqueal.   São exemplos de aracnídeos: as aranhas, os escorpiões e os ácaros.

 

Crustáceos: São artrópodes geralmente aquáticos. Apresentam o corpo dividido em cefalotórax e abdome, este fica protegido por uma crosta de quitina e calcário que forma o exoesqueleto. Os microcrustáceos são de grande importância ecológica, pois formam o plâncton.  Apresentam dois pares de antenas e vários pares de pernas, sendo algumas modificadas em forma de remos (birremes). Sofrem metamorfose, pois as fêmeas depositam seus ovos após a fecundação que irão se transformar em larvas e mudar até atingir a fase adulta. São exemplos de crustáceos: paguro, camarão, lagosta, lepa, siri e caranguejo. 

 

Diplópodes e Quilópodes: S&at

Veja também: