Menu fechado

O Encilhamento – Visconde de Taunay

O Encilhamento – Visconde de Taunay

O Encilhamento é um romance de primeira ordem, com intrigam mistura de elemento paisagístico e de análise psicológica numa língua deliciosa, a que não faltam palavras de gíria de época e de gírias que permaneceram.

Nascido na transição do realismo para o simbolismo, Taunay contraponteia magnificamente um romance de amor com as cenas de desvario das ruas, ou com reuniões galantes e elegantes, onde se desenrolavam os episódios do encilhamento.

Há caricaturas esplêndidas. Aquelas personagens existiram mesmo, e os estudiosos têm dificuldades em identificar figuras dos fins do Império e do início da República.

Crises econômico-finaceiras foram exploradas com graça.

Na segunda edição, aparece O Encilhamento afirmando o nome do verdadeiro autor.

Publicado em folhetins da “Gazeta de Notícias”, do Rio de Janeiro, em 1893, teve então o melhor acolhimento do público fluminense.
Pouco depois a Livraria Magalhães editou-o em volume, conservando, contudo, o criptônimo do folhetinista: Heitor Malheiros.

Novela vivaz, interessante, variada, repleta de documentos humanos, a historiar uma série de episódios pitorescos e curiosos, aspectos característicos da vergonha da época, como aquela que, no Rio de Janeiro, determinara a inflação papelista, exagerada, em 1890.

De perto observou o romancista estas cenas deprimentes de pilhagem e desvairamento, a que veio por cobro à reação florianista, após o 23 de novembro.

Foi uma das inúmeras vítimas do tremendo craque de 1891 – 1892 que arrasou as grandes e velhas instituições financeiras fluminenses, essas cujos títulos desde muito eram para o público, valores de inteira confiança quase tão reputados pela solidez quanto os papéis de estado, como o antigo Banco do Brasil, por exemplo.

Daí o conhecimento de causa do autor em descrever os cambalachos, negociatas e tranquibérnias dos grandes e insaciáveis piratas bolsistas e sua seqüela de devoradores da economia pública e particular.

Veja também: